Passagens...

Há pouco mais de dois meses iniciei um curso de Certificação em RP2 – Respiração – Relaxamento – Postura - Passagem: Configuração Corporal – Domínio e Equilíbrio e, essa vivência tem sido para mim encantadora. Sempre associei a mudança de atitude à mudança postural. E, quanto mais me aprofundo na questão da consciência corporal – mais entendo o quanto esse conhecimento pode também afetar nosso dia-a-dia.

No curso – que nos ensina – entre outras coisas – a nos relacionar com nosso próprio corpo – compreendo mais e mais – como nos relacionar com o outro...

Em meus textos sempre afirmo a importância do auto-conhecimento para relações saudáveis. E, quando falo relações – quero sempre dizer – a forma como nos relacionamos conosco, com o meio, com o outro e, com os outros... Tudo isso nos faz um. E, todos esses pontos possuem desdobramentos...
No caso do como nos relacionamos conosco – podemos olhar de diferentes ângulos – como nos relacionamos com nosso corpo, nossa mente, nosso espírito, nossas emoções?! Como?!

Quanto mais próximos estivermos de responder a essas questões – mais facilmente – vamos nos permitir o relacionar com o outro... E, mais, quanto maior for nosso equilibro – nossa coerência entre discurso, atitude, pensamento, sentimento – mais efetiva será nossa forma de relacionar.

E, para exercitar isso – o outro sempre ajuda! É sempre positivo o confronto. O ficar atento sobre o que apreciamos e desgostamos nesse outro. São exatamente esses os pontos que vamos poder transformar. Olhar para o espelho é mesmo difícil. Olhar para dentro – para o que sentimos mais complexo ainda... Mas, ainda a única forma de saber quem somos quem trazemos para nossa vida, o que escolhemos viver...

E para tudo isso existem as passagens. As passagens que escolhemos quando vamos nos mover de um ponto a outro. É nela – na passagem - que está toda a possibilidade de evolução. No corpo, por exemplo, porque o passar de uma postura para outra – pode ser uma dança, uma composição que nos prepara – como numa poesia – para o próximo passo... Na vida, um aprendizado imenso – com o que vivemos para o que vamos viver...

É essa a chave para abrir mão de relacionamentos complicados, padrões de comportamento viciados e, escolhas automáticas com base em padrões também viciados... O aprendizado está no meio tempo que nos faz mais atentos e fortes. Faz-nos querer mudanças e, o investir em nossa organização interna. No redescobrir nossa essência e, na beleza que vem de dentro para fora nos apontando novas possibilidades, novas formas de relacionamento.

Quebrar esses códigos, essas crenças que nos paralizam e nos fazem repetir por medo – infinitamente – a mesma atitude... e, nos permitir – o passar conscientemente – de uma escolha a outra - demanda – aprendizado – maturidade...

E, isso, só mesmo investindo amor e tempo. Amor para conosco, para nossas limitações e também para nossas conquistas. Amor para que possamos nos permitir – viver as passagens – o meio tempo – com clareza, delicadeza, e estabilidade. E, tempo, para que possamos ficar confortáveis e permanecer nesse rito – o quanto necessário for – para a evolução. Com certeza – o próximo, ou melhor, os próximos movimentos, as próximas relações se tornarão mais harmônicas e, com uma base que nos manterá no chão e nos permitirá caminhar – um passo de cada vez...

O outro, vai perceber os resultados – que passa – como no alongamento do RP2 – pelo relaxamento e a melhor postura frente a qualquer questão... A postura possível dentro da unicidade de cada um.

Sandra




- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -




MEG ... Parabéns! ... por sua Obra e Trabalho eternizado no Livro...RP2.
Como tudo que você toca e empresta seu talento, esta obra é impecável nos seus detalhes, conhecimento e técnica.
Seu livro tem o seu brilho, brilho este que tem como fonte de energia, o Profissionalismo, a Competência, a Honestidade, a Ética, o Respeito, e uma Vida de Trabalho e Amor pelo que faz.
Você MEG ... é Única ... e sempre será para aqueles que admiram e valorizam a Dedicação e a Correção de Atitudes que são suas marcas de exemplo a ser seguido.
O Sucesso desta obra de uma vida, também deverá ser exemplo de modelo a ser seguido por todos aqueles que querem um dia ser reconhecidos e festejados por diversas gerações de profissionais docentes da Educação Física.

É um privilégio e fico extremamente contente em fazer parte de seu Universo e que acompanho desde 85.

Parabéns e Sucesso Sempre!

RUBENS COVELLI - amigo e aluno da REEBOK SPORTS CLUB




- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -




RP2 na FISIOTERAPIA
Olá querida Mestre!
Lembra da fisio da aula de Tramandaí?
Pois é, estou te escrevendo, não só por estar com saudades mas para compartilhar sobre a aplicação do método RP2 em fisioterapia.
Estou aplicando direto com os meus pacientes o seu método. Apesar de não ser sob forma de aula, incluo durante a sessão. Está rendendo ótimos resultados para trabalhos com membros superiores. Tem um caso de tenossinovite de punho e cotovelo, bem aguda que com a aplicação do teu método passou a evoluir muito progressivamente principalmente nos sintomas de parestesia da mão. Ele já tinha feito 15 sessões, sem muito progresso. Sentia peso e parestesia insuportáveis se deixasse a mão elevada em flexão de cotovelo ou quando deitado em decúbito dorsal. Tinha que suspendê-la como um pêndulo, interrompendo a fisio, para que passasse a sensação de formigamento.
Passei a aplicar os alongamentos de punho, braço, e cervical na sequência que ensinaste em DD e em posição ortostática antes de aplicar o ultrassom e hoje ele não tem mais se queixado. A noite ele acordava devido a esse problema que hoje não acontece mais. Quero muito te agradecer, obrigada.
Salve Meg!!
Vou mantendo contato, tem um caso bem legal de um bailarino que trabalha em Cruzeiros e que parou um mês para tratamento de ombro e joelhos, iniciou há dois dias comigo.

Shelei - Fisioterapeuta




- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -




RP2 – TRAJETÓRIA E CONEXÃO
O chão é um referencial importante no que se refere às direções do corpo em relação ao espaço, alinhamento ósseo, limites das articulações e à percepção do peso.
No RP2 ele é mais do que uma simples referencia. É um aliado da gravidade.
Praticando a RP2 em pé, sentados ou deitados, é essencial a continuidade da manutenção do contato com o chão durante as trajetórias de uma postura à outra. É através desse contato que se estabelece uma conexão das extremidades com nosso centro de força, ativando equilibradamente as principais articulações dos segmentos. Ao mesmo tempo, a visualização e percepção dos desenhos dessas trajetórias nos convidam, não só a ocupar e expandir nosso espaço pessoal, delimitado pelas nossas extremidades e pela nossa forma, mas também nos encaminham a chegar à posturas mais corretas, de acordo com nossa singularidade.
O uso do MAT complementa o trabalho. Acompanhar as linhas contínuas e pontilhadas, que representam os lados e as diagonais do corpo, nos faz respeitar mais nossa estrutura, na medida em que esse direcionamento nos leva a trabalhar dentro de nosso limite morfológico seguro, aumentando de forma significativa as ferramentas para que negociemos qualitativamente o que estamos praticando. Às vezes, ficar na linha significa, aparentemente, fazer um pouco mais “perto” ou um pouco “menor”, para não comprometer o espaço das articulações. Desta forma, não praticamos certas distorções em nossa estrutura natural, que são desnecessárias na maioria das vezes. Ao longo da carreira de um bailarino, são inúmeras as adaptações negativas que ocorrem na realização das coreografias, muitas vezes levando à lesões.
O RP2 é mais que um método: é uma atitude inteligente e ativa, onde alongamento e fortalecimento estão sempre entrelaçados.

Lilia Shaw - Bailarina do Balé da Cidade de São Paulo




- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -




A professora Meg está conosco, na Cia. Athlética, desde 1985. Durante todos esses anos, ela se manteve atualizada, conseguindo motivar seus alunos, que sempre apreciaram suas aulas. Isso chega a ser impressionante, pois a área de ginástica, nas academias, teve diversos modismos; muitas aulas foram criadas e muitas desapareceram.
A Meg tem o mérito de fazer de seu método não um mero modismo, mas sim um trabalho com grandes resultados para o aluno.
Até hoje, vi poucos professores com tanto sucesso quanto a professora Meg.

Gary Schulze - Sócio-diretor da Cia. Athlética




- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -




Sempre fui muito ligada em cuidar do corpo e da mente através de atividade física e dança. Mas foi só nas aulas da Meg, de ginástica localizada, dança e alongamento onde consegui desenvolver meu corpo com graça, equilíbrio e resistência. Meg sabe o que se pode fazer ou não com o corpo. Aliado a isso, seu jeito de conduzir as aulas nos leva a uma viagem interior e de encontro com as forças espirituais do universo. É um prazer estar ali com seu grupo naquele determinado momento e espaço (Companhia Atlhetica) em que cada um busca transcender seus limites.

Meg me inspirou a estudar dança e fitness e está sempre a disposição para ensinar, corrigir e incentivar. E uma mestra perfeita !!

Meg, continue assim e sucesso sempre !!

Lia Caprara, Biologa e Fitness Instructor (Los Angeles - CA)




- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -




“Impressionante como perdemos a referência de nossos corpos e de tudo o que não vemos”.

A Meg, com seu método, transporta-nos, sem palavras, às mais diversas sensações. Esvaziando a mente num trabalho interno e único, buscando intensamente nossos limites físicos numa interação com nossos corpos energéticos, os quais não vemos, mas que conseguimos tocar através da busca incessante dos movimentos, da harmonia e do todo.

Sempre partindo do nosso eixo, as aulas me trazem diversas sensações como:

Equilíbrio: faz-se sentir um bonsai que vive em perfeita harmonia entre o que não vemos (as raízes) a sustentar, na mesma proporção, o que vemos (galhos e folhas), e esse é mais um conjunto que convive pleno na natureza.

Ventania: faz-se sentir como numa dança perfeita das árvores, no seu balanço frenético de idas e vindas, seus uivos reverenciando a vida, saindo e entrando do eixo, mas sempre sustentado por ele.

Água: faz-me sentir leve, capaz de penetrar profundamente no mar de artérias e veias num movimento calmo e tranqüilo. É como se me transportasse para dentro de uma enorme árvore, sentindo o caminhar das seivas pulsando, alimentando e hidratando a vida vegetal.

Força: faz-me sentir imponente adentrando pelo céu com sua imensa copa carregada de flores e perfume, iluminada pelo sol que alimenta a vida ao redor, porém sentindo o limite da dor, da análise, da consciência, do prazer, do todo, na abundância de cumplicidade dos corpos energéticos com o corpo físico.

Energia: faz-me sentir parte integrante deste complexo sistema de vida e sabedoria, ligada intimamente a tudo e a todos, pois somos um universo único em crescimento e expansão. Esta é a Natureza:
Divina.

Iza Vieira dos Santos Ruprecht, Paisagista - Aluna da Companhia Athlética




- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -




“A arte de viver está em buscar o equilíbrio entre corpo, mente e espírito. Meg é uma estrela-guia ao nos conduzir, por meio dos movimentos de alongamento, ao estado de harmonia, respeitando os limites de cada componente, e, por meio da linguagem de suas mãos, transmite energia que desperta a paz interior e desenvolve a alegria da qualidade de vida”.

Flávio Corrêa Próspero - Personal




- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -




Durante os últimos doze anos, três vezes por semana, temos o prazer de ter a Meg como nossa personal trainer. Muitos nos perguntam como é possível fazê-lo por um período tão extenso sem cansar.
A resposta é relativamente simples: em primeiro lugar, foi pela Meg que descobrimos sua excepcional técnica de alongamento, que se traduz num bem-estar físico dificilmente explicado em palavras. Parece que o nosso organismo passa a reordenar-se, a adequar-se melhor e a propiciar uma sensação de que tudo vai a seu devido lugar. Mais que isso, o bem-estar corporal se estende à mente, o que fica tão evidente para nós, na medida em que enfrentamos com disposição as eventuais contrariedades do cotidiano, resolvendo problemas com muito mais facilidade.
Outra característica de Meg: sua constante inovação e incessante evolução.
Nesses mais de doze anos, nunca existiu monotonia ou repetição de aulas. A cada novo encontro, sempre tivemos novos exercícios e técnicas.
A versatilidade da Meg revelou-se de novo quando cada um de nós teve um problema físico diferente: um com uma persistente dor de ombro, para a qual o ortopedista recomendava até cirurgia; outro com um neuroma de Norton (no pé), que impedia determinados exercícios. Rapidamente, Meg adaptou as aulas às nossas necessidades e, com sua técnica, ajudou a corrigir nossos problemas curar nossas dores, e – o mais importante – evitar cirurgias.
Por isso tudo, ela é a nossa “Magical Meg”, e a ela rendemos nossas modestas homenagens na edição de seu livro, não só como mestra no alongamento, mas como excepcional figura humana que é, seja como batalhadora tenaz, determinada a atingir seus objetivos, seja quando externa todo o seu amor por seus semelhantes e pela natureza.

Daisy e Nicolau Kohn - Personal - Alunos há 14 anos




- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -




MEG ... Parabéns ! ... por sua Obra e Trabalho eternizado no Livro ....RP2.
Como tudo que você toca e empresta seu talento, esta obra é impecável nos seus detalhes, conhecimento e técnica.
Seu livro tem o seu brilho, brilho este que tem como fonte de energia, o Profissionalismo, a Competência, a Honestidade, a Ética, o Respeito, e uma Vida de Trabalho e Amor pelo que faz.
Você MEG ... é Única ... e sempre será para aqueles que admiram e valorizam a Dedicação e a Correção de Atitudes que são suas marcas de exemplo a ser seguido.
O Sucesso desta obra de uma vida, também deverá ser exemplo de modelo a ser seguido por todos aqueles que querem um dia ser reconhecidos e festejados por diversas gerações de profissionais docentes da Educação Física.

É um privilégio e fico extremamente contente em fazer parte de seu Universo e que acompanho desde 85.

Parabéns e Sucesso Sempre ! .

Rubens Covelli - amigo e aluno da Reebok Sports Club




- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -




Exerço minha profissão entre quatro paredes, num espaço restrito onde ficamos eu e o cliente. Essa situação requer disciplina e concentração, além de implicar em certa imobilidade, que leva ao sedentarismo. Alguns procedimentos clínicos me obrigam a assumir posições inadequadas que causam desconforto físico e até dores localizadas.
Para combater esse desconforto e aumentar a resistência física, faço alongamento (combinado a outras as atividades ) com a orientação profissional da Meg há aproximadamente 10 anos. O resultado é muito bom. Sinto-me renovado.
As aulas de alongamento da professora Meg funcionam para mim como uma massagem interna nas articulações, ligamentos e músculos, proporcionando-me relaxamento e condicionamento para uma vida melhor.

Adail Augusto de Oliveira, Cirurgião-dentista - Aluno da Companhia Athlética




- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -




O trabalho da Meg não consiste em um alongamento apenas mecânico, no qual se faz um movimento para determinado grupamento muscular. Ele é muito mais que isso, vai muito além, pois se fundamenta na execução de movimentos com figurações, progressivos, lentos, centrados na força e na consciência corporal, até atingir o movimento final pretendido, cuja sensação de bem-estar e resultados são muito maiores e mais amplos.

Carlos Roberto Pianosi, Psicólogo e Administrador de empresas
Aluno da Meg há 10 anos na Companhia Athlética




- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -




A aula de alongamento da professora Meg resulta numa sensação de extremo bem-estar! Por meio de um alongamento com condução controlada, buscando o desenvolvimento e o aperfeiçoamento da consciência corporal no tempo e no espaço, aprendemos a ampliar com inteligência nosso campo pessoal interno (pela respiração) e também externo (pela percepção da amplitude dos movimentos de nossas articulações).

Lia Pedroso - Aluna da Companhia Athlética




- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -




Durante muitos anos, por um problema de coluna, meus dias eram tristes, porque passava a maior parte do tempo com fortes dores e crises, sem a capacidade de mover-me para ir a toalete e mesmo de curvar-me para vestir a calcinha. Eram momentos de humilhação que não gosto nem de lembrar, mas o faço agora para passar aos outros a grande sorte que tive em um dia fazer parte da Companhia Athlética Kansas.
Cheguei à procura do meu último recurso. Com oito contusões diagnosticadas, já não havia mais o que fazer. Qualquer cirurgia estava contra-indicada, e os médicos não queriam a responsabilidade de autorizar-me à prática de exercícios, porque, quando os fazia, meus nervos ficavam presos e eu sentia dores terríveis. Foi nesse dia feliz da minha vida que fui apresentada à Meg, professora de alongamento que, depois de me ver e ouvir minha história, pegou a minha causa com toda a dedicação. Foi a partir daí que, muito devagar, comecei o trabalho de alongamento. Foi difícil. Eu não tinha flexibilidade alguma nem equilíbrio. Para falar a verdade, tinha até vergonha dos outros alunos. Com os olhos sempre voltados para mim, para que eu fizesse tudo certo, Meg conduzindo-me e preparando minha coluna e meus músculos, sempre com palavras de incentivo.
A cada dia, eu tinha como meta curvar-me um pouquinho mais... e sempre colocava o colchonete no mesmo lugar da sala, onde eu conhecia as marcas do assoalho e, assim, podia acompanhar o meu sucesso de alguns milímetros por aula.
Enfim, que vitória! Que felicidade! Estava conseguindo curvar-me toda e colocando as mãos no chão. Até hoje parece que ouço suas palavras: “Voltando devagar! Mãos nos joelhos, vá colocando as vértebras no lugar uma a uma!” O meu pescoço, que freqüentemente me fazia sentir com torcicolo, dia a dia ia endireitando, e eu fui acreditando, acreditando...
Hoje tenho 61 anos e me sinto uma vitoriosa, como meu esposo me chama. Já não tenho crises. Sinto muita emoção e gratidão por ter encontrado uma pessoa tão boa e competente, que faz parte da minha história.

Soledade Munhoz Ribeiro




- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -




Na minha infância e juventude fui um bom jogador de basquete de competição. Mais tarde joguei tênis de recreação. Sempre fui levado a treinar a força da musculatura, ou seja, contração.
Na minha época não se falava em alongamento, pouco se falava de Yoga, coisa de mulheres e intelectuis.
Descobri com a Meg o RP2 e é simples o resultado que o mesmo produziu em mim.
Jogando golfe desde os 16 anos, hoje aos 57, tenho o melhor handicap de minha vida (11) e a maior distância em meus drives, graças a minha atual e espantosa flexibilidade.

Caio Ortiz, empresário e presidente da Federação Paulista de Golfe